Município de Anadia

Destaques

Novas exposições temporárias

Novas exposições temporárias

exposições temporárias - Arpad Szenes - vieira da...

Animação de Verão

Animação de Verão

programação Quintas no museu ...

Ciclismo

Ciclismo

CAMPEONATO EUROPEU DE PISTA NO VELÓDROMO DE SANGALHOS ...

Internet Marketing Bruidsfotograaf

Novas exposições temporárias

Tamanho Letra:

museu destaque

 

exposições temporárias -  Arpad Szenes - vieira da silva / miguel neves oliveira / alves andré

 

 

2017.06.17 a 09.17
Ciclo de exposições
Anadia > Museu do Vinho Bairrada

 

"Obra Gravada" > Arpad Szenes e Vieira da Silva
"Fendas do Vinho" > Miguel Neves Oliveira
“José Maria Tavares da Silva – Pai do Espumante Português (1854–1919)” > Alves André

 

“OBRA GRAVADA” DE ARPAD SZENES E VIEIRA DA SILVA, EM ANADIA

 

Novo ciclo expositivo no Museu do Vinho Bairrada

 

A “Obra Gravada” de Arpad Szenes e de Vieira da Silva está patente no Museu do Vinho Bairrada, em Anadia, até 17 de setembro próximo.

 

Graças a uma parceria entre o Município de Anadia e a Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva, são mais de 60 as gravuras selecionadas para esta exposição, que mostra a evolução do trabalho dos dois artistas nesta vertente específica. 

 

De Arpad Szenes, está em Anadia um “conjunto de 31 gravuras” que “abrange as técnicas do buril, águatinta, litografia e serigrafia”, e cuja “data de produção vai da década de 1930 à de 1980, abarcando o período de maturidade do artista. A diversidade temática e plástica, de representações mais abstractas a representações figurativas, encontra um paralelo no percurso pictórico de Szenes. Este conjunto que aqui se apresenta é, deste modo, um percurso gráfico revelador de um outro percurso, o da pintura”, segundo Marina Bairrão Ruivo, diretora da Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva.

 

Ainda de acordo com esta responsável, “a gravura tem um significado próprio no conjunto da obra plástica de Vieira da Silva”, lembrando que, tal como na pintura, a artista “tentou pela gravura descrever o mundo e desvendar a sua complexidade, sugerindo o espaço, o correr do tempo, utilizando metáforas e metamorfoses”. Considera, também, que este conjunto de trabalhos “desvenda a sua tentativa de traduzir a realidade, que não corresponde nunca à maneira como nos habituaram a vê-la, de uma forma plasticamente credível”.

 

Em simultâneo, e com o propósito de dar a conhecer o trabalho de artistas emergentes, o Museu do Vinho Bairrada acolhe “Fendas do Vinho”, uma mostra de esculturas de Miguel Neves Oliveira. Segundo o artista, a exposição reúne peças “executadas a partir das pipas que armazenam e preservam”. Recorrendo a aduelas de madeira e a arcos de ferro, o escultor criou “peças de homenagem à passagem do vinho”.

 

Este ciclo expositivo é também ocasião para o escultor Alves André prestar homenagem a “José Maria Tavares da Silva – Pai do Espumante Português (1854–1919)”. O consagrado artista bairradino retrata, em bronze, o responsável técnico pelo início da produção de espumante em Portugal, uma conquista feita no âmbito do trabalho deste engenheiro agrónomo enquanto primeiro diretor da Escola Prática de Viticultura e Pomologia da Bairrada, instalada em Anadia em 1887. É esta peça que agora é apresentada ao público no espaço museológico do Município de Anadia.

 

As exposições estão patentes no Museu do Vinho Bairrada, em Anadia, até ao próximo dia 17 de setembro, podendo ser visitadas de 3ª a 6ª feira, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00, e aos fins-de-semana e feriados, das 11h00 às 19h00.

 

 

Museu cartaz

 

 

 

Mensagem da Presidente da Câmara

 

 

Cumplicidade… Talvez seja esta a melhor palavra para resumir a vida e a obra de Maria Helena Vieira da Silva e de Arpad Szenes. Dois cúmplices no amor, na arte, na resistência, no exílio, na esperança… E se a produção artística de cada um é expressão dos respetivos gostos, sensibilidades, influências, ou técnicas, ela é também o resultado de uma solidão a dois, e, ao mesmo tempo, de muitas amizades e partilhas. Dois grandes nomes das artes plásticas, ela portuguesa e ele húngaro, unidos e moldados pelo cosmopolitismo francês, pelas viagens, pelas dificuldades, pela persistência e pela consagração.
Graças a uma parceria com a Fundação Arpad Szenes –Vieira da Silva, o Município de Anadia tem a grata oportunidade de apresentar, no Museu do Vinho Bairrada, a exposição “Obra Gravada”, que reúne mais de seis dezenas de gravuras dos dois artistas, provenientes da colecção que a fundação tem à sua guarda. São trabalhos criteriosamente escolhidos e que permitem perceber a evolução, neste domínio específico, da obra de Arpad Szenes, entre 1930 e 1980, e de Maria Helena Vieira da Silva, entre 1960 1991, e constatar a diversidade de temas, de estilos, de paletas, e de técnicas.
Quem acompanha a programação cultural do Museu do Vinho Bairrada, facilmente constata que esta mostra surge em coerência com o modelo que foi traçado para os ciclos de exposições temporárias deste espaço museológico. Em cada ciclo, as artes plásticas estão presentes através de trabalhos de nomes consagrados ou emergentes, e segundo temas relacionados, de forma directa ou indirecta, com o âmbito do museu. Por isso, este ciclo acolhe também trabalhos de Alves André e de Miguel Neves Oliveira.
Para além da sua condição de bairradino, Alves André tem o seu nome associado a Anadia desde as comemorações do centenário do nascimento de Fausto Sampaio, pois é de sua autoria a placa em bronze com que o município assinalou a efeméride. Com uma obra vasta e diversificada, este escultor regressa a Anadia, desta feita para homenagear José Tavares da Silva, o primeiro director (1889) da Escola Prática de Viticultura e Pomologia da Bairrada (1887), actual Estação Vitivinícola da Bairrada, e pioneiro, enquanto responsável técnico, da produção de espumante em Portugal.
Também na escultura, mas noutra vertente, Miguel Neves Oliveira percebe a desconstrução de artefactos do mundo do vinho como uma oportunidade criativa… Em “As fendas do vinho”, as aduelas de madeira e os arcos de ferro das pipas dão vida a novas peças, que fazem uma ponte entre a arte do tanoeiro e a criação do escultor, sem se afastar da realidade vitícola.
Quatro nomes, três mostras, duas disciplinas artísticas, e um ciclo de exposições. Múltiplas razões para (re)visitar Anadia e o Museu do Vinho Bairrada, e confirmar que “Anadia, Capital do Espumante” é um pólo cultural activo e eclético, atento às novas tendências, mas também à história, ao património e às tradições, que a todos convidamos a conhecer e que com todos queremos partilhar.

 


1 de Junho de 2017


A Presidente da Câmara Municipal de Anadia


Maria Teresa Belém Correia Cardoso

 

 

Copyright © 2014 MUNICÍPIO DE ANADIA | Desenvolvimento WRC | Design Sigyn